Quem comete suicídio, quer por fim ao sofrimento e não a vida.


Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. A ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão.

O Suicídio em números: De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), cerca de 800mil casos de suicídio foram registrados em todo o mundo em 2016. No mesmo ano, foram registrados no Brasil 11.433 casos, sendo que o número representa 2,3% de aumento em relação ao ano anterior. O suicídio representa hoje a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos em nosso país. No entanto, pode afetar a todos, independe da idade ou classe social. Quem o comete não quer morrer, mas sim matar sua dor, que em dado momento torna insuportável a convivência com si mesmo.

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), 50% dos suicidas tinham alguma doença mental identificada, não tratada ou não tratada de maneira adequada. O suporte profissional é de grande importância. Um dos maiores desafios das famílias e dos profissionais de saúde é identificar as pessoas que estão em risco ou são vulneráveis ao ato.

Atente-se para tais pensamentos e comportamentos e busque ajuda:

- O meu problema não tem solução;

- Comentários autodepreciativos constantes, como por exemplo: “Sou um fracasso”;

- Eu deveria ou preferia estar morto;

- Sou um peso para as pessoas que amo;

- Afastamento e isolamento de familiares e amigos;

- Disforia (oscilação entre irritabilidade, acessos de raiva e tristeza);

- Comentários persistentes sobre o tema morte;

Caminhos de proteção

Uma das formas de ajudar é não menosprezar a fala do outro e acolher sem julgar. Empatia, suporte familiar e autoestima elevada também são fatores de proteção indispensáveis. Na luta contra o suicídio, o mais importante é poder falar com alguém sobre o que se está sentindo e uma das alternativas é contactar o Centro de Valorização À Vida. O CVV (Centro de Valorização À Vida), uma organização sem fins lucrativos, presta atendimento gratuito e anônimo para quem precisa.

Você pode conversar com um voluntário do CVV ligando para 188 de todo o território nacional, 24 horas todos os dias de forma gratuita. Procure ajuda ou indique para quem precisa.


Destaque
Útimas Matérias